domingo, 6 de outubro de 2013

COUTTO - ORCHESTRA DE CABEÇA


 
Coutto Orchestra de Cabeça é o nome da banda  que vindo de lá do menor estado brasileiro, Sergipe, faz um som que de pequeno não tem nada. Os jovens músicos conseguem extrair belos frutos da mistura de música cigana, tango, baião, fanfarra, eletrônica e Erik Satie. A sonoridade da Coutto é uma trilha sonora para um filme ainda por ser rodado. Destaque para as belíssimas Flor e Routine. Conheça o primeiro e recém-lançado Eletro FUN Farra.

COUTTO ORCHESTRA DE CABEÇA - ROUTINE

BAIXE O ÁLBUM, CLICANDO ABAIXO:

BATATINHA


Batatinha é o apelido do saudoso sambista baiano Oscar da Penha, mais conhecido nacionalmente pelas composições gravadas por Chico Buarque (Toalha da saudade), Caetano (Hora da razão) e Maria Bethania (Diplomacia). Belo compositor, de voz mansa e triste, Batatinha sempre tratou o tema maior do samba, a desilusão amorosa, com simplicidade e elegância impares: "É proibido sonhar/ Então me deixe o direito de sambar" (Direito de sambar) ou "Se eu deixar de sofrer/ Como é que vai ser/ Para me acostumar/ Se tudo é carnaval/ Eu não devo chorar/ Pois eu preciso me encontrar" (Hora da razão).
Sua memória vive não apenas na transcendente memória musical, mas também no Bar "Toalha da saudade", tocado pelos seus filhos, localizado no Largo dos Aflitos, em Salvador .
Gravou cinco discos, Batatinha e Companhia Ilimitada (1969) ; Samba da Bahia (1975); Batatinha, 50 anos de Samba (1993); Toalha da Saudade (1976) e o póstumo, Diplomacia (1997). Para homenageá-lo, seguem para download estes dois últimos trabalhos.

HORA DA RAZÃO E TOALHA DA SAUDADE (PROGRAMA ENSAIO)



BAIXE OS ÁLBUNS, CLICANDO ABAIXO:

DIPLOMACIA

TOALHA DA SAUDADE

sábado, 28 de setembro de 2013

MAX SETTE - PARÁBOLAS AO VENTO

Max Sette é trompetista, compositor e cantor, mais ou menos nessa ordem. Ele tocou por anos na Orquestra Imperial, quando compôs a impagável Ereção: "Uma cerveja uma aguardente com limão/eu vou lá na gafieira vai ser a maior curtição/ de madrugada uma rodada no salão/ mas cuidado a brincadeira pode causar ereção". Max lançou dois álbuns Parábolas ao vento (2007) e O que passou (2009). Apesar de não ser um grande cantor, Max sobra nos arranjos e bom humor das letras. Sambas de gafieira, funk, tango emolduram suas canções. Do primeiro trabalho destaco as belas Gomalina e Parábolas ao vento: "Mais uma vez eu to só / sendo produto desses produtos industrializados que estão dentro do meu quarto / demorei esse tempo só para chegar até aqui no meio desse monte de papel, plástico, coisas, ar condicionado, luz, bicicleta...". Confira Gomalina ao vivo e baixe o Parábolas.

GOMALINA

BAIXE O ÁLBUM, CLICANDO NO LINK A SEGUIR

domingo, 2 de junho de 2013

JEITO FELINDIE - UM TRIBUTO AO RAÇA NEGRA

Seguindo a linha de tributos, tô postando a recente homenagem ao grupo Raça Negra, aquele mesmo do "didididiê" e do vocalista Luis Carlos, que tem a voz parecida com a do Romário. Como em boa parte dessas coletâneas, o resultado é desigual, mas vale a pena sacar, inclusive para conhecer gente nova. Merece destaque a versão da pernambucana Lulina, com aquele sotaque lindo, em Cigana [Então vem (então vem)/ Maltrata de vez (maltrata de vez) / Estou com saudade e a sua maldade me faz delirar (sic)]. Ficaram bem bacanas também as versões de Te quero comigo, com o Minha Pequena Soundsystem e Cheia de manias, com Vivian Benford.
Confiram uma das versões e baixe o disco na sequência.


MINHA PEQUENA SOUNDSYSTEM - TE QUERO COMIGO



BAIXE O ÁLBUM, CLICANDO NO LINK A SEGUIR


Jeito Felindie -  Um Tributo ao Raça Negra

domingo, 12 de maio de 2013

COITADINHA, BEM FEITO - TRIBUTO A ANGELA RO RÔ


Recém saído do forno, Coitadinha, bem feito, álbum virtual em homenagem à grande compositora e cantora Angela Ro Rô. Para quem conhece seu trabalho autoral, o resultado pode soar estranho na primeira audição, dada à diversidade dos arranjos aplicados ao repertório  de uma artista com identidade tão bem definida. Ela sempre transitou, sem grandes concessões, pelo caminho da fusão blues-rock-mpb, como Cazuza também o fez. Há um outro detalhe que merece destaque na obra: a opção por utilizar  apenas vozes  masculinas  para interpretar o universo de Ro Rô. O trabalho reúne performances de artistas contemporâneos como Lucas Sant'anna, em Amor, meu grande amor (versão dub),  Kiko Dinucci, em Tango da bronquite (um bolerinho-tango eletrônico) e Otto, na faixa que nomeia o álbum (versão groovada e arrastada). Gostei dessas invenções, mas me agradam sobretudo as gravações que menos perverteram o clima original das músicas da cantora, como Me acalmo danando, com Hélio Flanders; Fogueira, com Rodrigo Campos; Só nos resta viver, com Rômulo Fróes; e  Mares da Espanha, com Thiago Pethit. Para conferir esta última faixa segue o primeiro vídeo produzido e, na sequência, baixe o álbum.


THIAGO PETHIT - MARES DA ESPANHA



BAIXE O ÁLBUM, CLICANDO NO LINK A SEGUIR

Coitadinha, bem feito

domingo, 28 de abril de 2013

JORGE MAUTNER & NELSON JACOBINA - ÁRVORE DA VIDA

Depois de um longo tempo sem postar, resolvi aparecer por aqui para compartilhar o disco que mais tenho ouvido, Árvore da vida (1998), de Jorge Mautner e Nelson Jacobina. Trabalho intimista, construido só com o violão preciso de NJ e o violino intruso de JM.  Apresenta algumas pérolas, como o samba Positivismo (Noel Rosa), "O amor vem por princípio, a ordem por base / O progresso é que deve vir por fim / Desprezastes esta lei de Augusto Comte / E fostes ser feliz longe de mim". No mais, alguns "hits"da dupla, como Maracatu Atômico, Vampiro, Lágrimas negras e Samba Jambo. A qualidade da gravação e a ripagem não é das melhores, mas vale conferir. Na sequência, um vídeo "preguiçoso" de Samba Jambo  e o link para download do álbum.


SAMBA JAMBO -  JORGE MAUTNER & NELSON JACOBINA



PARA BAIXAR, CLIQUE NO LINK ABAIXO:

Árvore da vida - Jorge Mautner & Nelson Jacobina




domingo, 15 de julho de 2012

CARLOS CAREQA



Apresento(?) aqui, Carlos Careqa, ator, cantor e compositor de difícil conceituação, tal a diversidade de ritmos e temas presentes em sua obra. Letrista de mão cheia, arranjador e violonista virtuoso, CC deixa transparecer em seu trabalho sua origem no teatro, seja em suas interpretações lírico-cômicas, seja nos cenários que constrói pela poesia. Transita com tranquilidade pelo samba-choro, blues, funk, ijexá, carimbó, bossa e muito da vanguarda paulista de Arrigo Barnabé, Itamar e cia.
Sua estréia foi com Os homens são todos iguais (1993), seguido de Música para final de século (1998), Não sou filho de ninguém (2004), Pelo público (2006), À Espera de Tom (2008), com versões para canções de Tom Waits, Tudo que respira quer comer (2009), até o mais recente, Alma boa de lugar nenhum (2011). Cada um dos álbuns mereceria uma resenha detalhada e cuidadosa, mas me deterei no meu preferido, Não sou filho de ninguém, que é recheado de participações especiais de Chico Cesar, Edson Cordeiro, André Abujamra, Jards Marcalé, dentre outras. Um dos principais destaques é Eh! São Paulo, em que revisita os clássicos que tematizam a cidade: "Porque nada acontece no meu coração/ Quando eu cruzo/ A esquina da avenida Ipiranga/ Com a avenida São João [...] De noite eu não rondo a cidade/ Não te procuro nos bares ou nas ruas/ Na Paulista os faróis estão quebrados [...] Na Augusta eu entrei devagar/ Iracema pode até atravessar/ A garoa que caía inundou meu barracão/ Nunca mais eu te vi, Consolação. 

Depois apresenta a "oração", Meu querido Santo Antônio e uma parceria felicíssima com Chico Cesar, em Menos de doer, mais de doar

Ouça um pouquinho de Carlos Careqa e, na sequência baixe Não sou filho de ninguém.
FRENTE E VERSO



EH! SÃO PAULO


PARA BAIXAR:





sexta-feira, 15 de junho de 2012

MULHERES Q DIZEM SIM

Mulheres q dizem sim era formada pelos talentosos Maurício Pacheco (ex-Stéreo Maracanã e ex-F.U.R.T.O), Pedro Sá (guitarrista e produtor de Caetano), Domenico Lancelotti (multi-instrumentista e membro da Orquestra Imperial), Palito e, eventualmente, Moreno Veloso. A banda, apesar de sua efêmera duração, influenciou uma pá de músicos e projetos contemporâneos como Lucas Santtana, Los Hermanos, Nina Becker, X+2, com sua mistura de rock, salsa, funk, samba e uma pitada de dissonâncias. Gravaram um único disco com letras curiosas como E.T. (Toda a madrugada pede uma chegada/ Toda a madrugada merece uma chegada/ De alguém, de alguma coisa/ De um quê?/ De um ET.../ De um ET, como o de 1981/ Com seu dedo reluzente/ resplandecente em mim) ou Eu sou melhor que você (Todo mundo acha que pode, acha que é poeta/ Todo mundo tem razão, sempre vence e na hora certa/ Todo mundo prova sempre pra si mesmo que não há derrota/ Todo homem tem voz grossa e tem pau grande/ E é maior do que o meu, do que o seu, do que o de todos nós).  Confira os dois únicos clipes da banda e baixe o álbum Mulheres q dizem sim (1996).


EU SOU MELHOR QUE VOCÊ



SALSA-PUNK




BAIXE AQUI:
Mulheres q dizem sim
http://www.4shared.com/rar/i_ddWKZl/Mulheres_Q_Dizem_Sim.html

domingo, 10 de junho de 2012

WANDER WILDNER



Wander é uma lenda do rock nacional. O bardo gaúcho é do tempo em que roqueiro que era roqueiro não malhava e não usava aparelho ortodôntico. Foi líder da banda punk, Replicantes, mas sempre flertou com a música brega e canções em espanhol. Depois de um tempo meio sumido, se lançou em carreira solo com o disco Baladas sangrentas (1996), seguido de Buenos Dias! (1999), Eu sou feio ... mas sou bonito (2001), Paraquedas do coração (2004), La canción inesperada (2008)  e duas coletâneas. Hoje, com sua mente perturbada, bom humor e seus 64 dentes, continua na ativa. Sabe brincar como poucos com  os estereótipos que envolvem o universo sexo, drogas e rock'n roll. Seu último trabalho, Caminando y cantando (2010), é diversão certa. Confira Wander em ação e baixe o primeiro e o último disco desse "belo" artista.



EU NÃO CONSIGO SER ALEGRE O TEMPO INTEIRO




BOAS NOTÍCIAS





BAIXE AQUI:
Caminando y cantando (2011)
http://www.4shared.com/get/pOLbqu77/wander_wildner_-_caminando_y_c.html


Baladas sangrentas (1996)
http://www.mediafire.com/?3yi0myduyeo

domingo, 27 de maio de 2012

FORRÓ IN THE DARK

O Forró in the dark é um grupo formado por brasileiros radicados nos states. Fazem releituras de clássicos do baião e do forró com um instrumental sofisticado e inusitado. Eles  usam, além dos tradicionais pífano, zambumba e triângulo, umas guitarras envenenadas, banjos e outras loucuras. Sou meio desconfiado com este tipo de projeto, que logo me remete ao som de Sérgio Mendes e sua "macumba pra turista". Nesse caso, a surpresa foi positiva e acabei curtindo o som esquisito dos caras. Tô meio sem inspiração pra escrever, então confira aí o grupo em ação e, se gostar, baixe dois álbuns do Forró in the dark. 




CAJUÍNA





ASA BRANCA


ASA BRANCA  com part. de David Byrne





PARA BAIXAR
Forró in the dark 




Bonfires of são joão (2006)